A cidade

Breve Resumo da Cidade

História

Chamava-se Curral de Pedras topônimos advindo de currais construídos de pedras adredemente preparadas e habilmente arrumadas. Seu território pertencera ao Morgado de Porto da Folha e teve como primeiro proprietário Tomé da Rocha Malheiros. A invasão holandesa em Sergipe favoreceu a penetração do território que refugiou na serra da Tabanga, colonos portugueses, onde em época corva ainda existe o esconderijo Buraco de Maria Pereira mulher que se tornou epônima. Expulsos os batavos, o cacique Gararu e sua tribo ocuparam a região fixando-se na desembocadura do riacho do mesmo nome, no rio São Francisco, os quais possivelmente, foram catequizados pelos jesuítas da missão da Ilha de São Pedro. Com a expulsão dos jesuítas, a aldeia foi abandonada e se presume que a povoação de Curral de Pedras se originou de sitiantes que ali se estabeleceram. Já sob o orago de Bom Jesus dos Aflitos serviu durante sete anos como sede da Freguesia de Nossa Senhora da Conceição do Porto da Folha. Uma resolução de 15 de março de 1877 elevou o povoado à vila trocando o nome para Gararu. Em data não apurada foi elevado a distrito único e sede comarca a qual foi extinta em 1927, situação que foi restaurada pelo decreto nº 377 de 31 de dezembro de 1943.

Geografia

Localiza-se a uma latitude 09º58’03” sul e a uma longitude 37º05’00” oeste, estando a uma altitude de 16 metros. Sua população estimada em 2004 era de 11.824 habitantes. Possui uma área de 640,4 km². O município é banhado pelo rio São Francisco.

Referência

1. Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008.
2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010.
3. Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010.
4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 26 de agosto de 2013.
5. Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010.